Recursos Hídricos Ações Realizadas
Recife - quarta, 20 de agosto de 2014
Ações Realizadas PDF Imprimir E-mail

 

  • Adutora Luiz Gonzaga (Ramal II - Adutora do Oeste)

 

Adutora do Agreste

 

A Adutora Luiz Gonzaga, inaugurada em outubro/2007, reforçou o abastecimento de água das sedes municipais de Bodocó, Exu, Moreilândia e Granito e várias pequenas comunidades localizadas ao longo adutora. O Sistema Adutor é uma derivação da Adutora do Oeste, na altura do município de Ouricuri. A Estação de Tratamento de Água (ETA) tem a capacidade de tratar 110 l/s, o que beneficia atualmente (jan/2011) cerca de 40.000 pessoas. O investimento total na obra foi de R$ 31,6 milhões com recursos do Proágua.

 

 

 

  • Sistema Adutor Limoeiro

 

 LimoeiroO Sistema Adutor Limoeiro promoveu a ampliação e complementação da oferta de água  da cidade de Limoeiro, garantindo abastecimento pelos próximos 30 anos. Concluída em setembro/2010, a obra recebeu recursos do Proágua Nacional - programa financiado pelo governo federal e Banco Mundial (Bird), Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos (SRHE) e Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

 

O novo projeto possibilitou uma maior oferta de água para o município já que o abastecimento deixou de ser feito apenas a partir da Barragem de Palmeirinha e passou a contar também com uma captação flutuante no reservatório de Carpina. Além das mudanças na captação, foram realizados serviços de recuperação e ampliação da Estação de Tratamento de Água (ETA), construção de duas estações elevatórias e a implantação de 15 quilômetros de adutora.

 

Com a construção do sistema adutor, localidades antes desatendidas voltaram a ter água com regularidade nas suas torneiras. No total, o investimento de R$ 10,6 milhões beneficiou 46.000 habitantes.

 

  • Sistema Adutor de Agrestina

 

AgrestinaO sistema adutor integrado promoveu a ampliação da oferta de água para as sedes municipais de Agrestina, Altinho, Cachoeirinha e Ibirajuba, beneficiando indiretamente outros municípios interligados ao sistema.

 

Com a inauguração em agosto de 2010, a população do município de Agrestina, que enfrentava regime de rodízio de até seis dias sem água, vai poder ter abastecimento regularizado e garantido pelos próximos 15 anos. O sistema que faz a captação de água no sistema Prata/Camevô é composto por três estações elevatórias, quatro tanques de amortecimento unidimensional (TAUs) e quatro adutoras que perfazem uma extensão total de 38 quilômetros. Cerca de 70 mil pessoas foram beneficiadas nos quatro municípios.

 

Nos outros municípios beneficiados com o sistema, o abastecimento será regularizado após a recuperação de uma ponte por onde passava a tubulação e que foi destruída pelas chuvas de junho/2010. O investimento total na obra foi de R$ 23,3 milhões financiados pelo Banco Mundial (Bird), através do Proágua.

 

  • Relatório diagnóstico - 50 Dessalinizadores


Realização de diagnósticos técnicos em 50 Sistemas de Dessalinização, instalados nos municípios de Agrestina, Belo Jardim, Calçado, Caruaru, Floresta, Frei Miguelinho, Glória do Goitá, Gravatá, Ibirajuba, Limoeiro, Manari, Maraial, Parnamirim, Sairé, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá, São Bento do Una, São José do Egito, Sertânia, Surubim, Timbaúba, Tuparetama e Vertentes. O investimento total foi de R$ 141.230, o que beneficiou cerca de 4.387 famílias.

 

  • Implantação de dessalinizadoresnovo


Implantação de 23 sistemas de dessalinização de água localizados em povoados e distritos dos municípios de Arcoverde, Buíque, Carnaubeira da Penha, Caruaru, Custódia, Floresta, Iati, Iguaraci, Itacuruba, Jupi, Lajedo, Pedra, Pesqueira, Quixaba, Salgueiro, Serra Talhada, Sertânia e Tacaratu. Os sistemas beneficiaram 1.490 famílias e tiveram o investimento de R$ 1,3 milhão.

 

  • Recuperação de dessalinizadores


Recuperação de 44 unidades de Sistemas de dessalinização de água localizados em povoados e distritos dos municípios de Águas Belas, Arcoverde, Glória do Goitá, Jataúba, Pesqueira, Riacho das Almas, São Caetano, São José do Egito, Sertânia,Tuparetama e Vertente do Lério. A ação custou aproximadamente R$ 1,5 milhão e beneficiou 4.010 famílias.

 

  • Manutenção corretiva e preventiva de sistemas de dessalinização

 

Em 2010, o governo investiu na manutenção Corretiva e dessalinizadorPreventiva, incluídos serviços hidráulicos, mecânicos e elétricos em 54 unidades de Sistemas de Dessalinização de água e poços tubulares, situados em 23 Municípios das Regiões Agreste e Sertão do Estado de Pernambuco. Os serviços incluem o fornecimento e a instalação de peças de reposição necessárias à manutenção e, ainda, treinamento de operadores das unidades de sistemas de dessalinização de água. A manutenção beneficiou 4.451 famílias da região e no total custou R$ 126 mil.

 

 

 

 

  • Manutenção de 32 sistemas de dessalinização


Manutenção de 32 Sistemas de dessalinização de água, localizados em povoados e distritos dos municípios de Águas Belas, Arcoverde, Jataúba, Pesqueira, Riacho das Almas, São Caetano e Vertente do Lério. No total, a obra beneficiou 3319 famílias e utilizou R$ 236 mil em investimentos.

 

  • Treinamento de operadores de sistemas de dessalinização


treinamentoO treinamento de operadores das unidades de dessalinização de água foi realizado em novembro/2010 pela Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos de Pernambuco (SRHE/PE) com o apoio do Água Doce, programa do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e  teve como objetivo habilitar as pessoas para a utilização eficiente desses equipamentos.

 

As capacitações foram realizadas nos municípios de Sertânia, Arcoverde, Lajedo e Floresta, atendendo também a outros 15 municípios vizinhos, o que beneficiou cerca de 4.451 famílias. As aulas duraram um dia no qual os operadores obtiveram noções teóricas e práticas sobre o funcionamento dos dessalinizadores.

 

No total, 76 operadores foram treinados para operar as 54 unidades que foram instaladas ou recuperadas pela SRHE. A capacitação contou com o investimento de R$ 125.660 mil.

 

  • Operação Carro-Pipa

 

Fornecimento de água tratada em atendimento ao Programa Federal de Distribuição Emergencial de Água (Operação Carro-Pipa). A operação que tem como objetivo levar água potável aos locais em situação de desabastecimento, forneceu em 2010, 100 mil m³ de água tratada às populações do Agreste e Sertão do estado.

 

  • Recuperação e Manutenção de barragens

bodocóNo período de 2007 a 2010 foram realizados serviços de recuperação e manutenção nas barragens de Chapéu em Parnamirim, Lopes II e Algodões em Bodocó e Ouricuri, Pão de Açúcar em Pesqueira, Manuíno e  Poço da Areia em Bezerros, Goitá em Paudalho/ São Lourenço da Mata e barragem Jazigo em Serra Talhada.

 

A barragem de Chapéu tem como finalidade o abastecimento de populações rurais e a irrigação de diversas áreas localizadas a montante e a jusante ao reservatório. As barragens de Lopes II e Algodões são utilizadas no reforço a Adutora do Oeste e a barragem de Pão de Açúcar, localizada no Território Indígena  Xucurú em Pesqueira, tem como finalidade a  piscicultura na pequena irrigação.

As obras nas barragens de Chapéu, Lopes II, Algodões e Pão de Açúcar, citadas acima, tiveram o investimento de R$ 145 mil e foram concluídas em junho/2008.Poço da areia

 

As barragens de Manuíno e Poço da Areia têm como finalidade o abastecimento da sede de  Riacho das Almas, diversos Distritos e reforço ao abastecimento da cidade de Camocim de São Félix. Os investimentos utilizados foram de R$ 47 e R$ 57 mil, respectivamente e os serviços realizados foram concluídos em fevereiro/2009.

 

 

GoitáA barragem de Goitá em São Lourenço da Mata/ Paudalho, na bacia do Capibaribe, tem como finalidade além do controle de cheias o  reforço ao abastecimento de água da RMR. Em agosto/2010, foram realizados serviços de restauração das cabines de operação das comportas, guarda corpo, coroamento e todo sistema elétrico com o investimento de R$ 184 mil.

 

Na barragem de Jazigo, localizada em Serra Talhada, com capacidade de 15.000.000 m³ foram realizados serviços de recuperação do sistema hidromecânico. A barragem tem como finalidade a irrigação de terras localizadas a montante e a jusante do reservatório. A obra que ficou pronta em fevereiro/2009, teve o investimento de R$ 56.537.

 

  • Projeto de recuperação da barragem de Poço FundoPoço Fundo


Em 2010 a SRHE elaborou o projeto de recuperação da passarela e do sangradouro da barragem Poço Fundo em Santa Cruz do Capibaribe. A barragem tem como finalidade o abastecimento das cidades de Jataúba e de Santa Cruz do Capibaribe.

O projeto, que contou com R$ 59 mil de investimentos, inclui os serviços de recuperação da passarela, do sangradouro e do canal de restituição, além da limpeza e recuperação do reservatório.

 

 

  • Recuperação de barragens de terra em Pesqueira


Serviços de recuperação de pequenas barragens de terra, localizadas no Território Indígena Xucurú em Pesqueira, que foram parcialmente destruídas pela ação das chuvas ocorridas em 2004. No total, em parceria com o Instituto Agrônomo de Pernambuco (IPA), foram gastos R$132 mil com os serviços de recuperação concluídos em setembro/2009.

 

  • Instrumentação da barragem Tapacurá

Tapacurá
Visando avaliar ao longo do tempo o comportamento das estruturas da barragem Tapacurá, foi realizada durante o ano de 2009, a instrumentação da barragem, através de leituras de instrumentos de medidas de deformação e medidas de vazão. A ação teve o valor total de cerca de R$ 51 mil.

 

 

 

 

 

  • Recuperação de barragens em Cabrobó


Com a finalidade de minimizar os conflitos pelo uso da água na bacia do rio Terra Nova, foram realizados serviços de recuperação de barragens nos afluentes do rio, no município de Cabrobó. Ao todo, foram investidos R$150 mil, através de parceria com o IPA, na ação concluída em setembro/2008.

 

  • Plano Hidroambiental do Capibaribe


PHA CapibaribeConcluído em outubro de 2010, o Plano Hidroambiental do Capibaribe apresentou um diagnóstico da situação ambiental na Bacia do Capibaribe e cenários tendenciais e sustentáveis, que analisaram potenciais hídricos e demandas de água para diversos setores, além de trazer recomendações hídricas, ambientais, sociais e econômicas para um cenário sustentável no Capibaribe.

 

A elaboração do PHA foi feita em várias fases, contando com a participação da sociedade civil organizada, representantes do Comitê de Bacia (Cobh) do Capibaribe, além de órgãos dos âmbitos federal, estadual e municipal que estejam direta ou indiretamente ligados com a temática hídrica ou ambiental das bacia.

 

O Consórcio Projetec - Projetos Técnicos Ltda - e a empresa francesa BRL Ingénierie foram contratados para a elaboração dos PHAs. O Plano recebeu investimentos de aproximadamente R$ 740 mil, com financiamento do Banco Mundial (Bird). A Agência Nacional de Águas (ANA) e o Ministério da Integração deram apoio técnico para o processo de elaboração dos documentos.

 

De acordo com estimativas incluídas nos planos de investimentos seria necessário o investimento de R$ 248 milhões para implementação de ações voltadas à proteção e revitalização da bacia do Capibaribe. Neste montante, foram previstos a criação de parques urbanos para proteção da mata ciliar, planos de conservação e uso do entorno dos reservatórios, criação de unidades de conservação, recuperação de áreas degradadas por lixões, reuso do esgoto tratado no aproveitamento hidroagrícola, entre outras ações.

 

  • Plano Hidroambiental do Ipojuca

 

No Plano Hidroambiental do Ipojuca, concluído em novembro/2010, foi feito um diagnóstico doIpojuca Ipojuca, identificando e atualizando dados sobre os principais problemas da bacia, englobando estudos referentes aos recursos hídricos, uso do solo e subsolo, realidade socioeconômica, entre outros aspectos. O PHA é necessário para a captação de recursos para a realização de ações de curto e médio prazo com o objetivo de reverter os sinais de desequilíbrio ambiental de forma sustentável e com resultados socioeconômicos positivos.

 

A elaboração do PHA do Ipojuca foi feita em várias fases pelo consórcio Projetec - Projetos Técnicos Ltda - e a empresa francesa BRL Ingénierie, contando com a participação da sociedade civil organizada, representantes do Comitê de Bacia (Cobh) do Ipojuca, e de várias entidades e órgãos dos âmbitos federal, estadual e municipal que estejam direta ou indiretamente ligados com a temática hídrica ou ambiental da bacia.

 

O rio Ipojuca está entre os cinco rios mais poluídos do Brasil (IBGE/2008). De acordo com o PHA, para a recuperação ambiental da Bacia, seriam necessários investimentos da ordem de R$ 171 milhões para a realização de ações como a implantação de parques urbanos municipais, o uso de alternativas simplificadas para abastecimento e esgotamento sanitário em áreas difusas, a recuperação de trechos críticos da calha para atenuação de enchentes e a implantação de sistema informatizado de acompanhamento e controle de outorgas, entre outras.

 

A Bacia do Rio Ipojuca está totalmente inserida em Pernambuco e banha 25 municípios, como Arcoverde, Belo Jardim, Bezerros e Caruaru. O PHA do rio Ipojuca teve seus investimentos financiados pelo Banco Mundial (Bird), e contou ainda com apoio técnico da Agência Nacional de Águas (ANA) e Ministério da Integração.

 

  • Dragagem do Rio Beberibe

 

antes

A poluição dos rios além de ser um problema ambiental sério também traz grandes prejuízos às pessoas que encontram nas águas sua sobrevivência. Foi com o intuito de minimizar estes dois problemas que em 2008 foi realizado um  trabalho de dragagem e limpeza do rio Beberibe numa parceria da Secretaria de Recursos Hídricos de Pernambuco (SRH/PE) com a Prefeitura da Cidade do Recife. Foram investidos R$ 657 mil no trabalho – os recursos foram repassados pela SRH à Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb) que foi responsável pela execução dos serviços.

 

O trabalho de dragagem também beneficiou a atividade pesqueira, através da melhoria da qualidade da água do rio, aumento da eficiência da rede hídrica e redução das inundações na região costeira.

 depois

Representantes da comunidade pesqueira participaram das reuniões sobre o projeto e ajudaram a escolher as áreas a serem dragadas. O trabalho de dragagem no rio Beberibe incluiu a limpeza mecânica e manual para a desobstrução de trechos da calha na altura da avenida Correia de Brito e da rua Dalva de Oliveira, a limpeza manual para remoção de resíduos flutuantes e daqueles gerados pela dragagem, com mão de obra de pescadores e apoio de embarcações e a remoção mecânica e manual de estrutura de concreto no final do Canal Derby-Tacaruna. Também foram realizados serviços de batimetria (medição do relevo de áreas submersas) sondagens e estudo dos sedimentos do fundo do rio.

 

O projeto de revitalização do Beberibe teve como objetivos garantir o escoamento das águas, adequar o sistema hídrico ao volume de obras de saneamento e urbanização em curso na área, reduzir o risco de inundações nas áreas ocupadas, além de melhorar as condições ambientais e a navegabilidade no rio e principais afluentes.

 

 

  • Instalação da Cerca de Proteção da Área de Preservação da barragem de Siriji

 

Foi realizada a instalação da Cerca de Proteção da Área de Preservação Permanente (APP) da barragemSiriji de Siriji, município de Vicência, para conservação da  área verde e  mananciais hídricos da barragem, evitando atos de degradação. O trabalho consistiu na construção de uma cerca de 25 quilômetros para proteger uma área de 232 hectares com o intuito de reforçar a defesa da APP e valorizar a paisagem local. A barragem do Siriji tem capacidade para armazenar 17,2 milhões de metros cúbicos de água e abastece cinco cidades: Aliança, Condado, Buenos Aires, Macaparana e Vicência, atendendo a uma população de 55 mil pessoas.

 

 

 

 

  • Criação do COBH Capibaribe

 O comitê da bacia do Rio Capibaribe foi aprovado no dia 23/03/2007, com a presença de entidades da sociedade civil organizada e poderes municipais. O comitê administra a questão do Rio, tanto na parte geográfica quanto na histórica sendo uma maneira oficial para buscar melhorias para o Rio.



A criação do comitê da bacia do Rio Capibaribe é resultado da articulação das 11 prefeituras das principais cidades cortadas pelo rio, desde o município de Poção até o Recife, com o Fórum de Reforma Urbana de Pernambuco, formado por 35 instituições da sociedade civil organizada que atuam na questão urbana e ambiental.

 

 

  • Semana da Água

Semana águaA SRHE/PE e a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) realizaram anualmente, de 2007 a 2010, a Semana da Água, em comemoração ao Dia  Mundial da Água (22 de março). O evento tem como objetivo promover a conscientização das pessoas em relação à importância do uso racional dos recursos hídricos e o uso da água sem desperdício.

 

Durante a Semana da Água são desenvolvidas atividades lúdico-educativas com  demonstração de experimentos ligados aos recursos hídricos, que proporcionam um aprendizado dinâmico e divertido. Na programação são realizadas exposições de maquetes, oficinas, contação de estórias, peças teatrais, apresentação de  vídeos, entre outros.

 

O evento tem como público-alvo estudantes da rede pública e particular de ensino. A programação é dividida em roteiros, nos quais grupos de alunos são acompanhados por monitores e guias. No total, de 2007 a 2010, cerca de 20 mil crianças participaram do evento. Para facilitar o acesso para escolas públicas, a SRHE disponibiliza transporte gratuito e também fornece lanches a todos os alunos participantes.

 

  • Apoio a Instituições e Fortalecimento dos Colegiados COBH's e CONSU's

 

CobhEm convênio com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), a SRHE reativou o  Comitê de Bacia Hidrográfica  (Cobh) do rio Pajeu e os Conselhos  Gestores de Reservatório (Consu) de Brotas, Serrinha, Barra do Juá, Rosário, Cachoeirinha II e Poço da Cruz.

 

Para dar apoio e promover o fortalecimento dos órgãos colegiados como os Cobhs e  os Consus  foram realizadas capacitações, oficinas e produção de material gráfico para divulgação da Politica de Recursos Hídricos ,além da participação nas comemorações  da Semana da Água. A ação apoiada pelo FEHIDRO contou com  investimentos na ordem de R$ 885.062,00.

 

 

  • Projeto de Sustentabilidade Hídrica de Pernambuco – PSH/PE

 O Projeto de Sustentabilidade Hídrica de Pernambuco (PSH/PE) tem como objetivo central aPSH revitalização da bacia do Capibaribe e aumento da oferta hídrica, a partir de ações como esgotamento sanitário, reflorestamento, gestão e redução de perdas nos sistemas de distribuição de água.

 

O PSH/PE envolve ações de gestão dos recursos hídricos, redução de perdas e obras de esgotamento sanitário. Um dos maiores objetivos do Projeto é a revitalização da Bacia Hidrográfica do Capibaribe, com investimento de US$ 100 milhões na implantação de sistemas de esgotamento sanitário em Limoeiro, Paudalho, Salgadinho, Toritama e Vitória de Santo Antão, localizados na Bacia. Através do PSH/PE também foi viabilizada a estruturação e operacionalização da Apac (Agência Pernambucana de Águas e Clima).

 

A estrutura de coordenação do Projeto foi montada em 2010 com a contratação de especialistas que formaram a UGP - Unidade Gerenciadora do Projeto e da UIP - Unidade de Implementação do Projeto.

A SRHE/PE contratou empresas de consultoria e consultores técnicos para o PSH/PE.

 

O objetivo das seleções foi contratar a elaboração de projetos de restauração florestal do entorno de três reservatórios de abastecimento público, com vistas à revitalização e reversão dos processos de degradação da bacia do Rio Capibaribe. Os serviços incluíram a restauração de nascentes e matas ciliares de três sub-bacias e devem ser executados no prazo de oito meses.

 

  • Criação da APAC

 ApacCriada em março de 2010, a  Agência Pernambucana de Água e Clima (Apac) tem como finalidade executar a Política Estadual de Recursos Hídricos e regular o uso da água, no âmbito dos recursos hídricos estaduais e dos federais nos termos em que lhe forem delegados, bem como realizar monitoramento hidrometeorológico e previsões de tempo e clima no Estado. A criação da APAC como órgão executor da Política Estadual de Recursos Hídricos complementou a estrutura do Sistema Integrado de Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Estado de Pernambuco – SIGRH/PE, propiciando as condições necessárias para o planejamento de longo prazo e regulação do uso da água no estado, garantindo a proteção e conservação dos recursos hídricos.

 

 

  • EPNE- Encontro Preparatório do Nordeste para o ICID 2010

ICID

 

O ciclo de palestras e discussões do Encontro Preparatório do Nordeste (EPNE) 2010 para a 2ª Conferência Internacional: Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (Icid) foi promovido pela SRHE/PE na Fundaj (Museu do Homem do Nordeste).  O encontro contou  com uma programação de palestras e discussões em grupos de trabalho divididos por temáticas.

 

 

 

 

 

  • Apoio à revitalização de Bacias

 RevitalizaçãoEm 2010, foi lançado pela SRHE o edital de seleção dos projetos voltados para a recuperação e revitalização da mata ciliar em nascentes ao longo de rios e outros cursos d'água em Áreas de Preservação Permanente (APPs). Os projetos de revitalização são financiados com recursos do Fehidro, obtendo o valor total de R$ 1 milhão, o que beneficia diretamente a população próximas às bacias hidrográficas.

 

No total, foram selecionados cinco projetos que serão realizados nas bacias hidrográficas do Capibaribe, Serinhaém e Una. O objetivo é melhorar as condições das nascentes, proteger o solo contra a erosão e o assoreamento dos cursos d'água, além da conscientização das pessoas.