Recife -
Substituição de Equipamentos PDF Imprimir E-mail

 

O consumo de energia elétrica representa uma parcela significativa das emissões de dióxido de carbono (CO2).

Tendo em vista que a maior parte dos equipamentos movidos à energia e dos produtos consumidos são comercializados globalmente, é importante questionar como os mercados podem melhorar a eficiência energética. Um esforço de transformação global pede a expansão de mercados de tecnologias mais avançadas e a eliminação de equipamentos ultrapassados.

Concessionárias e permissionárias de distribuição de eletricidade são obrigadas a investir um percentual mínimo de sua receita operacional líquida anual em programas de eficiência energética sob a supervisão do órgão regulador (ANEEL).

O objetivo desses programas é demonstrar à sociedade a importância e a viabilidade econômica de ações de combate ao desperdício de energia elétrica e de melhoria da eficiência energética de equipamentos, processos e usos finais de energia. Para isso, busca-se maximizar os benefícios públicos da energia economizada e da demanda reduzida no âmbito desses programas. Busca-se, enfim, a transformação do mercado de energia elétrica, estimulando o desenvolvimento de novas tecnologias e a criação de hábitos racionais de uso da energia elétrica.

Por outro lado, desde 1994 o selo PROCEL estimula a fabricação e a comercialização de equipamentos mais eficientes, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico e a preservação do meio ambiente. O Selo Procel tem por objetivo orientar o consumidor no ato da compra, indicando os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria, proporcionando, assim, economia na sua conta de energia elétrica.

Os padrões imperativos de desempenho mínimo de energia, utilizados em muitos países, têm por objetivo aumentar o grau de eficiência de novos produtos que entram no mercado. É de interesse do governo, dar um passo adiante e gradualmente eliminar tecnologias mais antigas e produtos que utilizam mais energia e, consequentemente, emitem mais gases de efeito estufa.

Alguns exemplos incluem a substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas, que utilizam somente 20% da energia necessária para a produção da mesma quantidade de luz e com maior durabilidade. Outro exemplo está na substituição de geladeiras velhas por novas (com selo PROCEL), pois é deste eletrodoméstico que, normalmente, é gerado o maior percentual de consumo de energia nas residências.

Com a substituição das geladeiras e lâmpadas e com a garantia do selo Procel (Programa de Combate ao Desperdício de Energia) a economia residencial com energia pode chegar a até 50%.