Energia Desenvolvimento Energético Eficiência Energética
Recife - Boa Noite, hoje é 28/05/2017 - 20:58
Eficiência Energética PDF Imprimir E-mail


A eficiência energética refere-se ao uso racional da energia e apresenta-se como ferramenta à Consciência e Responsabilidade Ambiental.

A retomada do planejamento do setor de energia ensejou a elaboração do Plano Nacional de Energia 2030 (PNE2030), que incorpora a eficiência energética (EE) em seus estudos e menciona a elaboração futura de um Plano Nacional de Eficiência Energética (PNEf).

Pode-se considerar os ganhos em EE como provenientes de duas parcelas: uma referente ao “progresso autônomo” e outra referente ao “progresso induzido”. Por progresso autônomo entende-se aquele que se dá de forma espontânea, ou seja, através da reposição natural do parque de equipamentos por similares novos e mais eficientes. Por progresso induzido, entende-se aquele que requer estímulos através de políticas públicas.

No âmbito do PNE 2030, o ganho de EE através de progresso autônomo foi considerado nas projeções de demandas. No caso do setor elétrico, em 2030, além dos 5% de redução da demanda considerados a partir do progresso autônomo, foi estabelecida uma meta de 5% adicionais através do progresso induzido, a ser detalhada no PNEf. Neste último caso, a EE é tratada como uma opção de investimento para atender a demanda de energia.

Para promover o progresso induzido, o PNEf deve identificar os instrumentos de ação e de captação dos recursos, de promoção do aperfeiçoamento do marco legal e regulatório afeto ao assunto, de forma a possibilitar um mercado sustentável de EE e mobilizar a sociedade brasileira no combate ao desperdício de energia, preservando recursos naturais.

A aplicação da Eficiência Energética no setor público viabilizará a redução dos custos de energia com a iluminação pública nos municípios (em projetos como o ReLuz), bem como nos estabelecimentos públicos do Estado.

O Brasil evoluiu bastante em EE nos últimos anos, tanto na legislação, capacitação e conhecimento acumulados, quanto na consciência da necessidade de EE em diversos setores. Muitos casos de sucesso de implementação de medidas de EE existem e podem ser replicados. Montou-se uma infraestrutura e um capital humano que permitem partir para novos patamares em EE.

Este patrimônio, entretanto, precisa ser continuadamente atualizado e ter sua abrangência ampliada. Pretende-se que, com planejamento, recursos possam ser melhor aplicados e os resultados venham com maior velocidade, abrangência e amplitude.

Ao se comparar a realidade atual com o cenário de 25 anos atrás, quando o PROCEL foi instituído, não é difícil reconhecer como a situação evoluiu e que diversas barreiras foram removidas. Com efeito, hoje são ofertadas no mercado inúmeras tecnologias eficientes, a preços bastante atrativos. Para isso, foi fundamental o papel desempenhado pelo programa de etiquetagem e pelos prêmios, que ajudaram a divulgar os equipamentos eficientes.